segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Felicidade roubada...

Ontem eu estava com um pouco de saudade de mamãe e resolvi caminhar, era noite e haviam poucas pessoas na rua, acredito que alguns solitários como eu, que caminham sem destino certo. Mas, eu sabia onde eu ia acabar indo, e foi o que aconteceu, passei por frente a casa de mamãe e liguei para ela, inventei uma história boba pedindo algo só como pretexto para gente se ver, ela já estava dormindo, mas atendeu o celular. No escuro da noite eu me meti atrás de mamãe, acho que eu ainda carregava meu cordão umbilical, ela deu-me uma sacola e perguntou se eu estava sozinha, eu disse que sim e ela começou a me brigar pedindo para eu ir logo embora para minha casa, que já estava tarde e que eu não podia andar só... Comecei a sorrir e disse que já estava indo embora, tomei a benção e me meti noite abaixo, eu estava feliz, você não imagina como eu estava feliz por mamãe ter me brigado, por ter tido a coragem de enfrentar minha saudade e se meter noite a dentro, e ainda ter ganhado quatro laranjas de mamãe.

Mãe eu te amo,

- roberta laíne.

domingo, 20 de novembro de 2016

Que o domingo acabe logo, e a semana também, que o ano termine justo e eu morra junto.


-Roberta laíne.

sábado, 19 de novembro de 2016

Já avisei meu corpo que ele precisa parar de sentir saudades de você, já falei para minha alma que nunca mais vamos nos encontrar... 

- roberta laíne.

terça-feira, 8 de novembro de 2016

7 dias sem ela.

Preferi só escrever agora para não colocar o drama todo que estava protagonizando. Eu estava um lixo, ainda ando me recuperando, mas os primeiros dias foram aterrorizantes, agora entendo como Stephenie Meyer conseguiu descrever tão bem o estado de alma, espírito e sei lá mais o que de Bela em Lua nova quando Edward vai embora. Acho que vivi todas as quatro estações em uma semana, com o agravante de não ter conhecido um Jacob. Tampouco me importa, aprendi em uma semana ensinamentos para todo uma vida, o resto da minha, por exemplo. Ontem ao mexer no meu quarto resolvi arrumá-lo, já estava na hora de tomar alguma atitude, falando em atitude até beber água era um pesar extremo, eu não tinha forças. Quanto ao meu quarto não deu pra modificar muita coisa, e não consegui trocar as colchas, pois a fronha, o cobertor, o colchão, ainda tinha o teu cheiro e eu ainda não estava preparada para parar de sentir, não ainda. Olhei para meus livros de poesia e sorri, meu sorriso meio que dizia algo do tipo "não posso abri-los, sei que vocês irão foder mais ainda comigo"... Percebi que não estava preparada para nada, ainda não estava preparada, não ainda, ainda não. Fiquei dando giros no quarto procurando alguma coisa que não lembrasse você, em vão. Cada parte tinha um traço teu, que ótimo! Além de ter invadido minha alma também se tornou inquilina da minha casa, fez moradia. Queria acender um cigarro e fumar, ligar para várias garotas e transar, brindar inúmeras cervejas antes de beber, mas eu sabia que a vida não era como nos filmes clichês norte-americanos, WALT Disney não me pagava para fazer aquilo, eu não estava ensaiando, era vida real, era a minha inútil vida, e, real. Eu tinha aluguel para pagar, remédios para comprar e a merda de urso de pelúcia que eu precisava me livrar o quanto antes. Todos acham que eu fodi com você, todos acham que você foi o lado ou está sendo o lado que mais sofre/sofreu, mas ninguém sabe a minha versão da história, ninguém sabe como eu lido com as coisas, comigo, com você, e com a merda do urso. Preciso dormir, preciso descansar minha cabeça, meu corpo, minha vida. Não sei como terminar esse texto, mas sei que meu quarto está arrebatado...

Está tudo virando poesia, está tudo virando tudo você...

- Roberta Laíne.

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Um dia eu acerto...
Eu falhei, mais uma vez eu falhei. Achava que estava fazendo tudo completamente certo, mas olha aí a vida me tapeando o rosto novamente! Quantos tapas precisarei levar para cair na real? Dá vontade de me auto esbofetear e dizer: Ainda não aprendeu? Quer mais? A vida é cheia de escolhas e eu tenho a mania de errar! Não culpo ninguém pela minha ausência de sabedoria. Não culpo as pessoas que passaram por minha vida, não. A culpa é minha! Eu sou completamente idiota por ainda acreditar em mim, acreditar que eu posso... Mas tudo bem, vou viver minha nova bad, já estou acostumada, já tenho roteiro e tudo: Filme, casa, café, planos mal dirigidos, textos mal digeridos, livros e mais café.
No final dos textos e das contas mais mal passada que minhas roupas só minha vida e essa minha cara de noites mal dormidas... Da-me náuseas essa minha cara idiota que vejo no reflexo do espelho, esses cabelos brancos que começo a enxergar e não me fazem aprender, não me fazem enxergar o erro que sou.




- Roberta laíne.

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Se for luz, que clareie de mansinho,
que abra a janela num dia de domingo
 e voa passarinho...


-Roberta laíne.

domingo, 9 de outubro de 2016

Solta os cabelos e vem dançar comigo menina, não sei rimar, mas sei fazer poesia.

- roberta laíne.

sábado, 8 de outubro de 2016

Sexo é bom pra pele
Amor é bom pro coração.

- roberta laíne.

Duas semanas tomando uma banda do meu medicamento. As dores continuam, alguns sintomas estão surgindo, meu corpo está tentando me sabotar, hoje fiz xixi de dor, mas eu não vou parar, estou disposta a morrer ou viver. Nenhum resquício de amigo ou alguém que me ligue pra saber como estou, ninguém sabe quase nada de mim. Preciso de um cigarro, só quero colocar na boca como o Gus em "A culpa é das estrelas". Minha alma está gelada, mas eu não estou com medo. Mandei uma mensagem pra minha mãe de verdade e ela disse que preciso ter força, não sei quantas vezes ela já repetiu isso, a pior parte é quando ela me olha com uma cara de pena, como se eu estivesse um lixo e ela se culpando por não ter me criado... Ela não pode ter pena de mim, sou filha dela, ela precisa ser forte e demonstrar que eu aguento muito mais! Faz tempo que a perdoei por não ter me criado. Ela precisa saber disso, ela não precisa temer nada.
A dor está me machucando, mas nada é mais forte que minha vontade de registrar isso,


Com carinho,


- roberta laíne.
Oi Pai. Faz tempo né? É faz tempo... Olha pai eu vou direto ao ponto, eu não estou muito legal. Minha cabeça pai, minha cabeça anda me perturbando muito... Não sei muito bem o que está acontecendo, sinto uma vontade absurda de quebrar, quebrar tudo, o meu quarto, meus quadros, minha coleção de canecas, meu violão, minha guitarra. Eu só queria quebrar, quebrar e quebrar... Também estou fumando pai, vez ou outra acendo um cigarro, e sinto vontade de fumar, fumar tudo, fumar toda minha vida, tragar essa merda toda. Mas no meio de tudo isso hei de te contar coisas boas, bem, estou diminuindo a dose de um dos meus remédios, não vou te contar sobre as dores, pois nenhuma se iguala a força que ando tendo em parar, meus olhos brilham e minha boca se alarga quando vejo minha receita azul com a diminuição do remédio, apesar de tudo doer aqui dentro, de estar tendo crises que fazem chorar a alma, eu estou tão contente. Pai, eu conheci uma garota, ela tem lindos cabelos loiros, mas pinta-os de ruivo, ela é linda pai, acho que quando ela passa todo mundo da rua a queria ter, eu sinceramente não sei o que ela viu em mim, a gente meio que namorou, mas eu tive que terminar, estou com problemas na minha cabeça e achei melhor não danificá-la. Ela tem olhos lindos, indecifráveis, olhos de manhã, com gosto de orvalho. Eu a tratei bem pai, sempre falei a verdade, contei que eu não era fácil de lidar, e a protegi das pessoas. Mas o senhor sabe, eu não sei lidar, eu nunca soube. Esqueci de perguntar, mas o senhor está protegendo o tcc da Brenda? O senhor sabe o quanto ela é importante para mim, e me prometeu sempre cuidar dela, quase ia esquecendo de te falar que acho que agora ela desencanou de mim, parece que encontrou outra pessoa e eu estou muito feliz por ela, só a gente sabe o quanto aquela menina foi e será parte de mim. Falando em menina, decidi dar um tempo de minha vida amorosa, acho que não ando servindo nem para mim quanto mais para outra pessoa, o senhor sabe que não tenho medo de ficar sozinha, mas tenho medo de ficar só comigo, sabes que tenho medo de mim... Ô pai, ontem choveu aqui, lembrei tanto do senhor, foram tantos raios, o senhor estaria morrendo de medo, acho que mamãe estava com medo, mas ela jamais admitiria... Trabalhei nas eleições, e o candidato que o senhor detesta ganhou, foi uma pena, mas não se preocupe, votei no oposto, continuo detestando ele por nós dois. Ganhei dois livros de presente, e, pela primeira vez fui para meu médico sozinha, me senti bem diferente, acho que o senhor iria ficar muito orgulhoso me vendo esquentar a cabeça com um mapa, errar o ônibus, passar da parada, e dá várias voltas no mesmo lugar, não ria pai, até que fui bem, consegui sobreviver, e cheguei ao médico com umas duas horas de atraso. Pai, se puder falar com Deus e pedir pra ele amenizar as chuvas seguidas de tardes cinzas seria melhor, pelo menos até eu me recuperar mais... Sinto saudades papai, muitas. Da tua peteca, 

- roberta laíne.

sexta-feira, 7 de outubro de 2016

Não quero ficar sozinha, tenho medo de mim...


- roberta laíne.

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

BAD > adj. [abrev.] 1. Bagunça no Átrio Direito. [ORIGEM: datado no epicentro da onda de informações surgidas com a globalização. Intensificado com a propagação da internet e dos relacionamentos voláteis do séc. XXI]  2. Antônimo > estabilidade, calmaria, prazer, satisfação. Aplicação na frase: "Ele me amava, mas me trocou por outra, agora abraço minha BAD".

- roberta laíne.

quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Mas será que está vulgar?
Aí eu te pergunto, o que é ser "vulgar"? Será que não se trata de mais um dos inúmeros conceitos psicológicos que nada mais são que uma forma a mais de nutrir a superioridade de gênero? Por que não existem homens vulgares? Será mesmo que ser "vulgar" se trata de uma roupa, da maneira como alguém se porta, da cor de um batom, do horário que uma mulher sai de casa. Por que não é vulgar um homem chegas as 5 da manhã? Psicologicamente, "vulgar" pode ser também o seu pensamento, frívolo, e descontextualizado das coisas.

- roberta laíne.

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

Olha, a gente pode até se perder no meio do caminho, mas deixa um pedaço daquele lugar pra mim. O mundo sempre dá voltas e talvez eu volte pro teu caminho.

Roberta Laíne.

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Enquanto o último filho homossexual não morrer, as pessoas vão preferir um ladrão, uma prostituta, um zé ninguém a ter um filho gay. Fico me perguntando por onde anda o tal do amor que une o tal dos laços entre pai e filho, quando, por exemplo, teu pai ou tua mãe te olha com cara feia por que tu é gay. O filho hétero pode simplesmente ser um babaca, mal educado, burro e sem caráter mas em detrimento do gay, ele sempre será melhor. Quantas mães ainda têm que ver os filhos saírem pela porta de casa e nunca mais retornar.
-foi embora por que é gay.
Não caras mães, eles não foram embora porque eram gays, foram embora porque eram seres humanos e mereciam carinho, atenção e respeito! Não foi embora por que era gay. Foi embora porque não controlava a voz, o jeito, os gostos, as lágrimas. Foi embora porque os próprios 'familiares' olhavam torto como se tivesse que ser perfeito. Foi embora porque enquanto a sociedade se dividir em gays, lésbicas, bi e héteros você ainda vai rir de um cabelereiro e zombar uma caminhoneira...


Roberta Laíne.

sábado, 30 de julho de 2016

Café, uma garota, e sexo. Não estou precisando de amor, não estou querendo amor, estou querendo sexo. Um recado qualquer, um convite indecente, e muito café.

- roberta laíne.

segunda-feira, 25 de julho de 2016

Quem me dera se meu corpo não tivesse goteiras, e essa chuva que cai lá fora não caísse aqui dentro também...

- roberta laíne.

terça-feira, 12 de julho de 2016

Formavam um trio perfeito,
Ela
O celular
E o travesseiro.

- Roberta Laíne.

quarta-feira, 6 de julho de 2016

Quanto mais a gente estuda, mais nos perdemos em nossas certezas... Ontem eu achava cegamente que o céu era em cima e o inferno em baixo, hoje estou sem teto, não consigo me firmar em uma direção. Nem para baixo nem para cima, não sei a orientação do céu nem a do inferno. O bom de sabermos das coisas é que não sabemos de nada, e o paradoxo de viver nos queima a garganta com o gole seco de ausências que nos preenchem. Estamos a todo momento tentando ser, ser melhor, ser bom, ser mal, ser atraente, ser coerente, ser vivo, no final das contas não sabemos o que no final da tal das contas estamos tentando ser. Carência. Somos seres carentes de paciência, de roupa, de comida, de sexo, de música, de poesia. Tentamos ser bom para sermos suficientes e suficientes para sermos perfeitos. Não somos perfeitos, ou somos? Emanamos luz, alguns clara, outras escura. Ao mesmo tempo que há milhões de células vibrando, para alguns não deva haver célula alguma, a não ser Deus. Deus é uma célula? Quem é Deus? Fé. Somo atordoados de perguntas, somos seres atordoados. Da mais sã ao mais doentio brota algo indiferente aos conceitos de sanidade e insanidade. Somos por que somos ou por que queremos? Somos? Onde estamos? Pra onde vai a água da chuva? De onde vem a água do mar? Somos homens e mulheres e animais? Só? Quem inventou a cor rosa? Será mesmo que existe o azul? Morrer é pouco. Morrer é pouco demais para tamanha vida. Qual a diferença entre um psicopata e aquele momento que você come desesperadamente um fast food sem lembrar que naquele exato momento uma criança negra fecha os olhos de fome. Alguém pode definir a palavra orgasmo? Talvez o 'homem' termo machista por sinal nunca tenha ído a lua, nunca saiu de um cenário, de seu cenário, do seu quarto. E se a água realmente acabasse? E se não existissem heterossexuais? Se John Lennon estivesse vivo será que ainda estaria casado com a Yoko? Qual a função orgânica do cérebro se não psicológica? Você acredita em milagres? Ontem vi uma tv ligada, falando, emitindo cores, viajando, pegou no sono, e, dormiu.

Roberta Laíne.

quarta-feira, 29 de junho de 2016

Era dia quando Izabela, mais bela do que Iza, cruzara a rua avenida Castelo Branco passando entre os taxistas e a feira da cidade. O dia começara esplendido com o nascer do sol alaranjado de Santa Luzia, mais Luzia do que Santa, pois Izabela voltava de uma noite que virara dia, e que possivelmente viraria noite e dia novamente. Haviam dois dias que bela Iza não dormia; as drogas começaram a fazer parte de sua vida desde que seu pai morrera, ficando aos cuidados, ou ausência deles na mão de sua madrasta, Cléo. Embalada ao som de uma festa de aparelhagens da noite passada, distribuía sorrisos ao andar protegida com seu namorado, Rodriguinho de Santa, que de Santo ou Santa não tinha absolutamente nada, era o dono da maior boca de fumo da cidade, e falava com seu português não estudado dos grandes “pobremas” e “tretas” da exportação da erva. Izabela não havia recepcionado bem a morte de seu pai, estudar se tornou difícil, pensar, impossível. Resolveu então recepcionar as alucinações que a maconha lhe proporcionava, ficar leve e sair da realidade era seu maior barato, junto a Rodriguinho. Quatorze anos, idade pequena para o corpo de mulher, passou a usar mini saias e tops, exibir o corpo começara a se tornar tão bom quanto usar maconha, era um barato ver os homens babando pela Iza do Rodriguinho. Na paróquia de São Francisco, Cléo, sua madrasta, rezava suas intensas “Ave-marias” pedindo pelo marido falecido, pelas filhas, por si, menos por Iza. A garota achava ela que estava perdida, órfão de pai, mãe, filha das drogas. Depois da missa das cinco Iza saiu para a boca do namorado, em busca de barato e diversão. Chegando lá, a música vinda de uma caixa amplificada rolava solta e alta, o cd de melody era o mais tocado, Iza dançava como bailarina com passes e gingados arduamente ensaiados. A festa rolava solta e a droga também, maconha, cocaína, pó, remédio, bala, e até tabaco exalava a festa na casa de Rodriguinho. O barato corria solto quando de repente um estrondo ressoo do fundo da boca, bala! Era uma bala trocada entre policiais e Rodriguinho. Iza envolvida pelo suingue do super pop continuou a dançar feliz e longe da realidade, parou quando escutou outro estrondo, o barulho tinha sido mais forte, preocupou-se em procurar Rodriguinho quando de repente sentou em uma cadeira, pesada, com uma forte dor de cabeça, o barato já estava acabando, e sua vida também, o terceiro estrondo tinha sido uma bala em suas costas, sentada em uma poça de sangue Iza viu a imagem de seu querido pai, lembrou-se de quando era menina e não precisava de maconha para viver um barato, lembrou-se dos cartazes da escola dizendo: não as drogas. Lembrou-se do por do sol alaranjado de Santa Luzia, fechou os olhos, Ave-Maria.


Roberta Laíne. 

segunda-feira, 13 de junho de 2016


Estou vivendo uma coisa legal, talvez até seja sentimental, mas não vou deixar murchar com rosas dessa vez,
Com carinho,
R.

sexta-feira, 10 de junho de 2016

Um lugar obscuro, íngreme, enevoado, turbulento, pacato. De dia ventania, de noite chuva serena, seco e úmido, tormenta. Tedioso, agitado, tranquilo e velho, um lugar chamado eu.


-roberta laíne.

quinta-feira, 9 de junho de 2016

Eu sempre vou achar que se a pessoa não está contigo é pelo simples motivo de não te querer; essa coisa de papai, mamãe, cachorro, ou papagaio como desculpa não deixa meu coração satisfeito. Penso que há, e deve haver, grande proporção de orgulho em algumas pessoas, por isso elas não te ligam, não mandam mensagem, não aparecem. Mas também, meu caro, pode ser algo pior: ela simplesmente não gosta de você o tanto que você gosta dela. Isso é bem ruim, e pode se transformar num mostro, da altura que você cria, do poder que você acredita. Mas olha, há um lado bom nessa merda toda, pois, no primeiro caso, o do orgulho, você não está perdendo nada, mesmo achando que está! Não se engane, agora parece precipício, mas amanhã é chão batido. Digo mais, quem perde é o agressor! No momento ele não vai se dar conta, mas depois ele se ferra, a última lágrima cai de seus olhos... Todo orgulhoso um dia chora, as vezes sangue. No segundo caso, não sentir o mesmo, hora ou outra você se pegará destruindo o monstro, Nietzsche já dizia que não há fatos eternos, assim como não há verdades absolutas, desse modo, e de todos os outros, essa merda toda vai mudar, o mundo está girando para isso, ora embaixo, ora em cima, tome cuidado, e gaste a vida.

- roberta laíne.
Não tenho medo de ficar sozinha, tenho medo de estar sozinha, e estou. Ponto, vírgula, acabou.

- roberta laíne.

segunda-feira, 30 de maio de 2016

[...] Você se lembra, você lembra, e se você fechar seus olhos quando você lembrar teu coração vai apertar e teu corpo responderá ao teu pensamento.
Você vai sentir algo, e o nome disso é amor.
Mas você também vai sentir medo, mas o nome disso continua sendo amor.
Poemas de quarto. 

domingo, 22 de maio de 2016

Os domingos são excepcionalmente os dias mais difíceis de minha vida,
Eu realmente não sei lidar com o dia de domingo.

- roberta laíne.

sábado, 21 de maio de 2016

A solidão é transparente.
Quero amar novamente.
Quero um bom e velho ombro.
Quero alguém que me conte histórias, e que eu possa contar também...

- roberta laíne.

sexta-feira, 20 de maio de 2016

É tão difícil dar continuidade a vida quando perdemos... Temos que fazer as coisas diárias como comer, dormir, trabalhar, sorrir - sabendo que uma parte da gente está tão distante que parece que faleceu. Mas o mundo fica girando e arrastando a gente. É preciso comer e trabalhar, não necessariamente sorrindo, mas indo. Nos sentindo por vezes sozinhos, mas indo. 

- roberta laíne. 

quarta-feira, 18 de maio de 2016

Como se eu não soubesse mais manejar minha vida, como se não tivesse mais saída, eu sou uma completa, completa idiota!

- roberta laíne.
Tem um ar meio vagabundo, os relacionamentos atuais desse mundo...

- roberta laíne. 

sexta-feira, 13 de maio de 2016

São tantas pressões. São tantos nãos! Pelo menos minha atitude não é mais de chorar, não ligo, aprendi a mentir. Digo que está tudo bem, que irei fazer, que a conta está paga, que o clima é ensolarado, e que sou muito feliz. Vou enganando todo mundo, e o mais incrível é a credibilidade que tenho. Vocês simplesmente acreditam, e eu me divirto agora com a dor que sinto no meu peito. Pois a mim, eu não engano...

-roberta laíne.

quinta-feira, 12 de maio de 2016

Desculpa a hora pai, sei que você já deve estar dormindo, mas é importante. Estou querendo ir morar com o senhor, tem como o senhor vir me buscar? Aqui está tudo muito difícil e estou um pouco triste. Mas não se preocupe comigo, estou aguardando sua resposta. Te amo pai. Boa noite.

- roberta laíne.
Está tudo errado na minha cabeça. Está tudo errado.

- roberta laíne.

quarta-feira, 11 de maio de 2016

Hoje só me veio uma coisa na cabeça: eu não vou te abandonar B, eu não vou. Eu só preciso organizar minha cabeça e consertar meu coração. Eu vou achar a cura para o borderline e levarei-a o mais rápido possível!

- roberta laíne.

segunda-feira, 9 de maio de 2016

Não gosto de expôr meias verdades, ou eu falo tudo, ou não te exponho absolutamente nada!

- roberta laíne.

sábado, 7 de maio de 2016

As vezes eu acho que sou louca,
Que troco a cena e o amor de lado
Mudo o encaixe
Falto com a última peça do quebra cabeça
Te reviro de cima a baixo

As vezes eu acho que sou uma queda,
Uma pedra que desce de ladeira a baixo
A folha seca que só cai no outono
A maior guerra de teus lábios

As vezes eu acho que sou chuva
Que pinga lágrimas para todos os lados
Nublo o teu céu
Me preencho, depois me esvaio

As vezes eu acho que sou fogo
Na brasa me entrelaço
Sou cortina da tua janela
E a pedra que te estardalhaço.

- roberta laíne.

sexta-feira, 6 de maio de 2016

segunda-feira, 2 de maio de 2016

Minha namorada tem borderline

Minha namorada é borderline... Estou escrevendo isso porque ela pediu-me, não que eu tenha sido forçada ou influenciada por seu pedido, mas queria deixar claro que foi sua a ideia. Achei bem estranho no começo, mas depois percebi sua intenção, que nada mais é do que um ato benevolente para com outras pessoas que também têm borderline, pois vez ou outra a vejo de canto, mexendo no celular e fazendo expressões duras ou frustradas, sei que possivelmente está vendo uma matéria ou artigo sobre pessoas border, de algum "especialista" ou médico, que nada sabem do problema. "Quem calça o sapato é que sabe onde ele aperta" essa frase define os borders para mim. Nós de fora, leigos, burros, assustados ou ignorantes não sabemos, o que se passa na cabeça de quem é céu e inferno, sol e chuva. É muito fácil perder a paciência e ameaçá-los, e por pura estupidez falar a frase mais doente da atualidade: "Para de frescura!" Deve doer muito para alguém que não faz a mínima ideia do que tem, ou até sabe, mas não consegue "parar a frescura..."
Quando Brenda está em crise, todos os dias, eu me sinto uma merda! E queria te dizer, amor, que seu transtorno é uma merda! Me desculpe...
Li uma vez sobre, para nunca mais voltar naquele texto. Tudo o que tem sobre borderline são coisas ruins, eu poderia fazer até uma tese de doutorado sobre, com aquele monte de asneira escrita, e a decepção maior consta nas fontes, profissionais da própria área da saúde, dando um show de ignorância e assentimento com a burrice. A merda toda do borderline é que eu te amo, e não consigo me desligar de você - assim como a gente puxa a tv da tomada. Vocês nos ameaçam de suicídio, brincam com faca, com tesouras, com vidro, com qualquer coisa que corte, e se não tem algo para machucar, vocês inventam uma cabeçada na parede, um chute na porta até sangrar! Essa é a pior parte, porque depois de alucinar e arriscar a vida, se arrependem e choram, choram igual um bebê quando acaba de nascer. O problema é que o arrependimento de vocês é tão sincero que inspira-os a nunca mais fazer, até o outro dia.
Vocês estão cortados por fora, cortadas por dentro, derramando sangue, mas ninguém vê, ninguém sabe, "toma um diazepam que passa!" "Vamos deixar ela dormindo, pra vê se passa..." É... quem sabe não vem um príncipe e a beija , vai que no despertar tudo se resolva... Quanto vínculo com a realidade! Talvez uma maçã seja o remédio... Falando nisso, você sabe o que é Borderline? Você que faz enfermagem, medicina, farmácia. Você que tem um filho "estranho" tímido, medroso, isolado. Você professor acha que seu aluno doente. Você namorado que desistiu dela porque era problemática demais! "Fazia dela de gato e sapato e mesmo assim ela não me deixava" "Tem que se valorizar!" Você que acha que só psicólogo deve saber! Você aí que não tira a porra da bunda do sofá assistindo toda a programação da globo, minha namorada tem Borderline e eu não sei muito o que fazer! Você não sabe o que é isso? Ah, deixa para lá, é só um apelido em francês.

"Síndrome de Borderline, também conhecido por transtorno de personalidade limítrofe, é uma doença psicológica grave que provoca oscilação de humor, medo de ser abandonado [...]"

É disso que estou falando, ou melhor, das entrelinhas que essa parca frase pode me significar. Borderline é limite, é doença, é grave, é medo. Mas você também pode tratar como frescura, aí tudo fica mais fácil para todo mundo, menos para o border. Você também pode dizer que é falta de Deus no coração, como acontece com o Padre Marcelo Rossi, aí tudo fica mais fácil para toda sociedade católica, menos para ele. Por fim, você pode dizer que é "tudo" e receitar ansiolíticos, antidepressivos, controladores de humor, e mais remédios para o fígado, estômago, gases, e até para a puta que te pariu tão burro! Acho que exagerei perdão pelo palavreado, acho que deve ser frescura...

Bem, B, não é nada fácil conviver com você, você me deixa literalmente louca quando se tranca no banheiro ou quando me agride sem motivo. E é uma super merda quando você quer desistir de tudo. É cansativo as vezes quando eu preciso te dar banho, te colocar pra dormir e trocar tua roupa. Mas eu queria que você soubesse que você e os borders são pessoas INCRÍVEIS. Queria lembrar a sensibilidade que você tem com os animais, e comigo, com quem ama, queria te agradecer por devido ser border valorizar mais a minha vida do que eu mesma, e me amar sem condição alguma. Se eu estou suja ou bem trajada, se eu tenho dinheiro ou não. Eu acho justo você ser border, pois de tudo é o que você é. Um border jamais deixaria alguém no meio do caminho e isso não ando encontrando nem mais em livro. Um border é destemido, e essa coisa de superheroi eu só pensava que existia na tv, mas aí eu vi que você é uma, a mulher border, com o super poder de matar qualquer verme que não te compreenda, e que te diga que é menos. Eu te amo, e eu queria que você soubesse que ser border ainda vai ser positivo ao invés de negação, e já estou com a cura, lembra que você me pediu pra desesperadamente pra encontrar um remédio? Pois é, eu achei, mas teremos que compartilhar com todos os outros border,

Amor,

Foi a melhor fórmula que encontrei,

Eu te amo.

Minha namora tem borderline...

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Como se faz amigos?
Eu não tenho, 
Não me encaixo
Não compreendo ...
Nem me aproximo.

-roberta laíne.

segunda-feira, 11 de abril de 2016


Duro e seco como a vida. As pessoas são corretas, sem emoções, e extremamente polidas. As crianças são verdadeiras, choram, e têm medo do bicho papão. Adultos não valem muito, a não ser o que produzem...

- roberta laíne.

domingo, 20 de março de 2016

Sei que não conseguimos ser, à risca, imagem e semelhança de Deus, 
mas também não éramos para ser tão díspares...

- roberta laíne.
Tenho um estado de alma complicado, as vezes clareio, noutras apago.

- roberta laíne.
Não faz com teu próximo o que você não quer que aconteça consigo. Se abominas uma idéia que venha a te ferir, não pratique-a com alguém. Espera a colheita para colher, a chuva para se banhar e o sol para secar-se. Não acelera o acontecer das coisas, tudo tem seu tempo, o tempo de Deus não é como o nosso. Nosso relógio corre solto, acelerado, imediato, o tempo de Deus transcorre suavemente, é atencioso e justo. Se queres que as pessoas sorriem para você sorria primeiro a elas. Não espere, se queres um abraço, abrace. E se queres mudar, mude. Se a pedra te fizer tropeçar, levante e retire-a do caminho para que nem tu nem teu próximo se machuque. Se queres justiça não espere a dos homens, procure Deus. E lembre-se: ainda que tu tenhas tudo, ou que tudo te tenha, sem amor a engrenagem do mundo não gira.

- roberta laíne.

segunda-feira, 7 de março de 2016

Esse dia frio, esse fundo frio, da janela se pode ver, cheirar, sentir e tocar o gelo que transpassa pelo outro lado. Lá fora, fora de casa, fora da janela e mundo abaixo não se tem lareira, não se tem fogo não se tem brasa. Não tem graça... A vida não tem mais graça, o circo realmente pegou fogo sem o palhaço se quer dar sinal, ninguém pode acudir mais a bandeira nacional! Quem, então, em último suspiro de esperança, pode salvar a Pátria Amada? Alguém nos escuta do Ipiranga? O penhor de nossa igualdade foi vendido. Morte, morte e morte, ninguém mais desafio o peito, matam agora de graça. Nem amada, muito menos idolatrada, mas se alguém puder Salve! Salve! Por que ainda há filhos gentis deste solo teu. Quero ser teu, teu filho que sombreia a morada. Não diz que não tem jeito, pois encolhe meu peito Pátria armada Brasil!


- roberta laíne.


domingo, 6 de março de 2016



Nesse cômodo, nessa casa, nessa rua, nesse bairro, nessa cidade, nesse estado, nesse clima, nesse país, nesse dialeto, nessa língua, nesse mundo, nesse mapa, nesse planeta, nessa galáxia, nesse ser, nesse corpo, nessa alma, me sinto
Só.

- roberta laíne.

sábado, 13 de fevereiro de 2016




Para mim o homem deixou de ser digno quando inventou o dinheiro, fora sua pior invenção e a que mais deu certo.

- roberta laíne.

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

A bela fodeu a fera ...

Já tive algumas belas em minha vida, talvez já tenha sido a bela, mas na verdade, na grande verdade era a fera quem se figurava em mim. E as belas? Bem, as belas sempre me fodiam, nunca fui boa como fera, sempre me fodi com as belas e a próxima bela que se aproximar será "aperto de mão, apenas bons amigos"

Por que me foder elas não me fodem mais não...!
- roberta laíne.

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

Tá! Confesso que tem muitas coisas que eu realmente queria, mas digo que não... E admito que queria participar da tal da "aula da saudade", do "cerimonial" ou do tão sonhado "baile de formatura" da minha sala, mas infelizmente de novo não... 
Quando eu era pequena eu colecionava "De novo não", entre tantas coleções confesso que "De novo não" era uma das mais difíceis, digo não na raridade e sim na constância. Lembro-me que no dia 06 de setembro de mil e novecentos e mais algum número que eu não irei me lembrar, estava eu empolgada, pois estávamos finalizando a semana de ensaios para o grande dia 07 de setembro, e obviamente era a melhor semana da escola, porque não haveria aula, e eu não serei uma criança hipócrita em dizer que não fiquei feliz, pois até hoje essas semanas me animam... Mas voltando para o dia 06 - último ensaio marcado para às 3 horas da tarde - desliguei a TV, vesti minha blusa do banana de pijamas, um short qualquer, calcei os sapatos e dei benção de mamãe indo a pé para frente da minha escola, onde uma multidão de centenas e milhares e trilhões de outras crianças se reuniam e gritavam e corriam e caiam e choravam e levantavam e corriam novamente num ciclo constantemente vicioso. Alguns caçavam alvoroçadamente moedas no bolso e compravam pipoca, bombons e balas do "Seu Menino" deixando o porteiro doido com tanta agitação e repetição da mesma fala sempre: "Menino não corre"! Ora não corre, aí era que corriam mesmo! E eu como grande observadora de tudo aquilo, apesar de não ter idade nem tamanho pra ser uma grande observadora, observava e achava o maior barato tudo aquilo. É claro que você deve saber que o dia de comprar o uniforme novo da escola só era em janeiro para aqueles que iam pela primeira vez para lá estudar, mas para os veteranos (segunda série em diante) o dia de comprar o uniforme era na semana que antecedia o dia 7, a saia o mais marrom possível (cores da minha escola), com as pregas altamente engomadas, bem passadas, e posta debaixo do colchão pra não desmanchar aquela perfeição toda até o dia. Uniforme novo, agora só está faltando os sapatos "De novo não" que parte chata. Vou ser breve e clara: eu queria um sapato de menino, era um topper! Naquela época usar um topper era sinônimo de estilo, bom gosto e ainda por cima ganhava uns numerosinhos na idade que era curta. Corajosamente fui pedir pra mamãe e em sua resposta lá veio o tão colecionado NÃO "De novo não". Mas eu sempre fui uma criança estranha, diferente e estranha novamente, e obviamente não iria deixar por deixar assim tão fácil, eu já sabia usar alguns poucos atributos linguísticos, gestuais e comportamentais com intenções muito bem formuladas previamente com minha cabeça de estranha, então acredite se quiser eu desfilei de topper e saia! Não tive muito tempo para ouvir os comentários dos alunos e pais ao redor que cochichavam e diziam que aquilo era sapato de menino, eu estava ocupada demais com aquele sol escaldante, aquele som de baquetas e pratos e fazendo uma força tremenda pra marchar direito, toda brilhante de topper, fazendo de tudo pro meu sapato aparecer mais que qualquer outra coisa em mim, até mais que eu (risos) Ahh como eu ganhei altura! Olha lá eu, a menina estranha de topper na avenida barão de Capanema, marchando pela Escola Estadual de Ensino fundamental Pastor Ananias Rodrigues, no dia 07 de setembro de mil e novecentos e alguma coisa...

- roberta laíne.

domingo, 7 de fevereiro de 2016


Deus não é surdo, então não grite...

-roberta laíne.

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Não tenho mais paciência pra diálogos, pro mundo, pras pessoas! Estou cheia, farta, exausta de gente, de seres humanos, de corpos, de falação. As pessoas me cansaram antes mesmo de me entusiasmarem, me fadaram antes mesmo de me fantasiarem, me causaram sono antes mesmo de tira-lo-me... É tão complicado viver num mundo onde você senta num sofá, ficá em pé numa fila, caminha pela cidade e não entende ninguém, não reconhece ninguém, não sabe onde está e tem medo... Medo! As pessoas me causam medo com todo esses discursos mal contados que soam como palavras eloquentes aos que escutam; eu fico só olhando, só observando e me perguntando onde é que essa gente vai chegar!? Eu nunca entendo por que essa ganância toda, essa busca toda, toda essa análise que gira em torno de uma só coisa: dinheiro! Tudo é dinheiro! Namoro é dinheiro, casamento é dinheiro, família é dinheiro, vestibular é dinheiro, profissão é dinheiro, saúde é dinheiro, dinheiro dinheiro dinheiro! Eu não aguento mais essa palavra... No supermercado tudo é circulado de dinheiro, preços, número, a gente não poderia simplesmente sentir fome e pegar uma maçã? Não sem dinheiro! As pessoas sentam numa roda e ficam conversando sobre DINHEIRO. E o problema então do país? A tal da crise no Brasil, no mundo, no planeta terra e na casa do caralho é tan tan tan tan dinheiro! Chega de dinheiro! Chega de escutar pessoas que tinham tudo pra ser tudo mas querem ser dinheiro, querem fazer medicina por que dá dinheiro, querem matar de jaleco por dinheiro, porque matar com uma arma na mão dá pouco dinheiro; mas matar de jaleco e gola polo branca não dá cadeia, dá dinheiro. Falando nisso tenho médico hoje, será que ao invés do meu reumatismo ele vai falar de dinheiro? Será que ele vai dizer que meu problema é dinheiro? Enfim, só queria contar um pouco pra vocês como que andam as coisas aqui na terra, e como possivelmente anda faltando...

Dinheiro.

- roberta laíne.

domingo, 17 de janeiro de 2016

Estou a ponto de mais um fracasso em mais um relacionamento, tudo isso pelo sempre simples motivo: eu sou parada. Paradona, não saio, não me movo, pareço um móvel velho, não gosto de festas, de bagunça. Odeio o carnaval e isso me custou caro, brigas, lágrimas, e mais um término, de mais um relacionamento, sempre pelo mesmo motivo:

EU SOU DE OUTRO PLANETA.

Aos terráquios,

Roberta.

sábado, 16 de janeiro de 2016

As mulheres me decepcionaram...

Outra vez, vi uma menina solitária sentada num banco surrado da praça de Belém, e, percebi que a tristeza em sua forma e cor gris abrasava aquela moça - tentei imaginar o que havia acontecido com ela e a resposta logo veio em forma de tatuagens e piercings queimando a ponta de um cigarro do outro lado - numa escada com outras tatuagens e outros piercings e uma garrafa de vodca. Ora, aquela menina de jaqueta preta ferrou com a vida da metaforicamente tristeza de vestido. Foi fácil perceber que as mulheres a decepcionaram, e assertivamente os homens também! Bem que poderia ter ficado em casa pensei alto com uma das frases de mamãe... As mulheres...! Acho justo um homem não entender por que uma mulher o troca por outra, ora, é complexo demais para que um homem entenda, pois no final da noite, só uma mulher, a mãe, a prima, a tia, a melhor amiga, pode entender a outra! É tipo um pedido de desculpas e um abraço, essa coisa mexe com a gente, o problema é que andamos pedindo desculpas demais para tudo e não se desculpando de verdade. Fico imaginando se uma daquelas tatuagens do braço da menina poderia ser para aquela pobre tristeza, ora, uma mulher sabe muito bem despistar a outra! Nunca se esqueça, você nunca, em situações aceitáveis da vida, conseguirá enganar uma mulher! E acho equivocado darem o sexo frágil pro lado mais forte do pêndulo; nunca entendi essas convenções sociais. Mas já estava feito, a outra tinha umas 10 tatuagens então socialmente ela era a mais forte, e obviamente a tristeza em forma de vestido devia ter na bolsa um batom suave e um espelho a sua espera. A ficha só cai depois que alguém do outro lado atende a chamada... Só uma mulher sabe como de fato ferir gravemente outra. Se uma mulher disser que te ama, pode ser por pena, pode até não existir amor, mas nunca será uma mentira. Se aquela moça de vestido levantasse daquele banco e fosse até sua namorada de jaqueta preta e dissesse que não aguenta mais vê-la traindo, bebendo, e a tratando mal, como se nunca fosse a perdoar por algo que ela nunca fez... Se ela se levantasse... Não sei ao certo o poder de uma mulher, mas sei que é bem maior que o dos homens e até mesmo dos animais. Você não pode esquecer desse poder, ele atua em todas as áreas do pensamento, do corpo, da alma, do dizer, e infelizmente a moça que chorava no banco resolveu ir pra casa, chorar em casa, possivelmente no outro dia ela receberia uma mensagem de texto ou ligação pedindo desculpas e tudo ficaria normal, tudo ficaria bem, até a próxima praça, o próximo gole, e as próximas mentiras, quem sabe até uma tatuagem em sua homenagem... Só uma mulher sabe enganar a outra, e alguma delas me decepcionam... Enfim, a água do meu café já ferveu e as mulheres, algumas delas, me decepcionaram...

- roberta laíne.

quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

Me acalma,
Me bagunça
Me atrapalha,
Me joga
Me atira nessa vidraça,

Mas te digo
Bem baixinho
Bem no pé do ouvido,
Me acalma com tua alma...

- roberta laíne.