quinta-feira, 21 de abril de 2011

Dança comigo essa noite ...




Ah dance comigo essa noite, não sei quem é você, muito menos você sabe quem sou, mas dança comigo essa noite, enquanto dançamos te confessarei meu maior segredo que dele ainda tenho medo, o amor.
Ah dance, dance apenas comigo essa noite, quero você só para mim, pensando apenas em mim, esquece o mundo lá fora e dance apenas comigo.
Posso encostar meus lábios pertinho de seu ouvido? Quero apenas lhe falar que sei que não me conheces e que não te conheço, mas é que por detrás de meu peito está um amor que a muito adormece, ele está me sufocando, tento inibi-lo de todas as maneiras mais ele insiste em sair, sair de verdade, sair de dentro para fora, expor sem medo, como um pássaro que voa sem medo, dando a vida por um beijo, apenas um, mas que seja verdadeiro, por favor, não pare, dance comigo essa noite.
Continuo a repetir que não me conhece muito menos eu o conheço, mas quero lhe dizer que tenho em meu peito um amor verdadeiro, um amor que o destino ou o acaso não conseguiram ainda se cruzarem, não sei mais o que faço, quero gritar eu te amo, quero fazer muitos planos, quero entregar várias rosas ao lado de uma cartinha com meu perfume, quero falar de amor baixinho, quero dizer que sinto saudades, quero sentir ciúmes, quero deitar em seu quarto e encostar minha cabeça em seu peito, ombro amigo que me afaga a cabeça, quero olhar nos seus olhos e dizer verdadeiramente eu te amo, pois estou cansada de esperar esse amor chegar, estou cansada de escrever longas cartas a ninguém, estou cansada de ver casais de mãos dadas e as minhas vazias, bem sei que não sabes quem sou, muito menos sei eu quem és, mas enquanto o meu amor não me chega, dance, dance comigo está noite.

Roberta Laíne.

segunda-feira, 18 de abril de 2011

O sabor do fracasso.


    Sinto agora em meu paladar o amargo gosto do fracasso, gosto esse doloroso, que invade minha boca e transborda meus olhos em lágrimas, lágrimas salgadas, amargas demais, lágrimas. Acho eu que o pior sabor que já experimentei foi o desse tal de fracasso, ridículo, escasso de doçura, causa-me a ausência do sorriso dar boas vindas à amargura.
               Estou sentindo que esse gosto de perda adentrou em minha corrente sanguínea, e foi rapidamente transportada para meu coração que a bombeia para o restante de meu corpo, mas em meu coração esse fracasso invade meus sentimos e lá em meus sentimentos é fracasso, fracasso novamente. Coração bate mais arrastado e almeja as pressas parar, para vê se assim morrendo para também de amar, amar fatidicamente a quem esse coração não ama; fracasso, mais uma vez fracasso, veneno cruel e duradouro que apenas com o doce sabor de uma vitória irá embora, porém vai atento e preparado, para no primeiro deslize e possível queda voltar novamente com o mesmo gosto amargo, fracasso.

Roberta Laíne.         

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Ah o amor ...



o amor é o teu respirar, é o teu surgir, você nasce do amor, você vive aqui por amor, você não morre de amor, mas por um amor você pode morrer vir.
Roberta Laíne.

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Explicações de minha insônia, meu não dormir.

O tempo,

Porque se passa tão rápido assim? 24 horas que são designadas para um dia é tão pouco para mim! Às vezes fico me perguntando por que é pouco para mim e para muitos é mais que o suficiente? E ainda tem aqueles que acham um exagero o dia ter 24 horas exatamente. Esses são os que vivem num contentamento descontente, que estão cativos e alienados ao novo tempo (capitalismo do momento). São pessoas e mais pessoas em uma cegueira constante, que não reservam um tempo para ver os lindos raios do sol ou a lua brilhante. Meu Deus, quanta amargura, não me deixe por favor, cair nesse mar de loucura, nessa inércia incessante que adjetivo de depressão capitalista, dia e noite, noite e dia.
          Eu queria mesmo era saber por que todos dormem nesse momento? Na rua não há mais barulho de nada, no céu só o de uma coruja ao relento. Sinto que será mais uma noite sem dormir e eu não me entendo, enquanto todos dormem, aqui estou escrevendo. Acho que só dormirei quando em minha porta bater o sono eterno, aquele que todos temem e se desesperam, a morte, só que a chamo agora de sono eterno, afinal nunca vi ninguém dela acordar, então é lá que a eternidade deve morar. Sabe, eu nem me desespero, pois esse sono todos iremos dormir, dormirei o meu quando vir. Ah, então deve ser isso, deve ser por isso que eu não durmo, para que dormir hoje se farei no futuro!  Mais que futuro é esse? Ow não, eu não sei mais é de nada, mas sei que dormir agora nem um pouco me acalma, pois meu corpo grita para viver, deixar-me-ei então dormir para quando morrer, e enquanto todos descansam me mantenho acordada, pois aqueles que muito dormem não vivem quase nada.

Roberta Laíne ,!

Desespero de meu eu.





Não quero mais saber de mim, dane-se a vida e que venha o morrer, nunca vivi mesmo para mim, mas sempre para amores a não me corresponder.
                Meu mundo encontra-se desestruturado, minhas mãos estão calejadas de tanto escrever a palavra esperança, não posso mais querer entender o mundo, se o mesmo se corrói em ganância.
                Só me restou mesmo desfrutar dessa dor que não me afaga, que insiste apenas em me golpear, criticar, me corroer, dor que me mata.
Foi nesse triste descontentamento que minha vida parou de ser minha, e a morte, essa por si só, me soou como uma feliz saída.

Roberta Laíne.