sábado, 31 de outubro de 2015

Estava cá aqui pensando em algumas pessoas que vejo quando vou ao banco, a feira, na padaria - na verdade quando sou um pouco normal e "socializo". A verdade é que todas às vezes que saio é assim, mergulho meu olhar em algumas retinas e depois fico pensando naqueles rostos que nunca vi, pensando especificamente naqueles rostos que emanam algum tipo de sofrimento. Meus olhos de alguma maneira são programados para captar sofrimento. E o mais estanho é que não sei como consigo decora-los e ficar imagimando-os no decorrer do dia, e, as vezes, dos dias. É estranho, mas fico imaginando o que tem lhes causado a dor? O que pode ser feito para amenizar? Tem cura? Será que eu poderia de alguma maneira intervir? Eu sempre digo a frase de um de meus livros favoritos "os seres humanos me assombram" e até mesmo contesto a péssima e dispensável existência dos seres humanos. Mas alguns humanos não me assombram, os mesmos me deixam feliz em existir - o problema maior é que eu não os conheço. Nunca os vi em toda minha parca existência! Obviamente isso tem todas as chances existenciais num todo de possibilidades de que o que estou escrevendo aqui é o maior acúmulo de besteira que um ser humano pode escrever. Mas caso não venha a ser eu estava falando sobre transeuntes, sobre pensar neles, sobre querer fazer algo, sobre uma tal de humanidade que vi no jornal, mas não vi na reportagem que falava de guerras e acordos políticos. E antes que você pense que quero apontar altruísmo de minha parte e benevolência para se auto promover, ponto 1 - ninguém lê isso. Ponto 2 - ninguém ler mesmo. Ponto 3 - talvez com muitas probabilidades de chances eu nunca mais verei esses rostos novamente, o que automaticamente dá total descredibilidade para minha possível "benevolência" que no ponto 4 - eu não fiz absolutamente nada. Desse modo, com exceção dos transeuntes que perturbam a minha cabeça, os seres humanos continuam a me assombrar, e eu tenho medo do que possa ser atualmente a palavra Humanidade...

- roberta laíne.
Um filme em castanho claro passa em minha mente quando ouço tua voz. Uma xícara de café para você, chá para mim - um beijo de boa noite. Te amo.

 - roberta laíne.

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Saudade é um preenchimento ou uma falta? 

-roberta laíne.

quarta-feira, 28 de outubro de 2015

Nunca me compare a ninguém, nunca.

- roberta laíne.

terça-feira, 20 de outubro de 2015

Olhos baixos, sem rumo nem mira, cabeça inclinada para baixo, sorriso sem graça, sou eu. Eu sempre me senti estranha, quando eu era pequena eu era magrela, desengonçada, vestia blusas que cabiam mais três braços meus só de um lado, tinha um corte de cabelo estranho e gostava de coisas estranhas. Tipo minha mania de guardar as coisas, pedra, embalagens de mentas, trechos de revistas, recortes de jornal e moedas de um real, quem nunca teve um cofre! Eu olhava para o céu e me achava meio estrela, meio brilhante e menos feia. Me sentia agrupada nas três Marias mesmo eu sendo Roberta e ficando estranho, mas eu também me encaichava no Cruzeiro do Sul, sempre consegui me encaixar no céu, e em nenhum lugar da terra. Às vezes, nas raras vezes que um avião passava aqui na minha cidade eu corria em silêncio para olhar, até hoje acho essa coisa de chegar mais perto das estrelas incrível, mas tenho medo, não ouso, gosto de vê aqui de baixo e se der eu vou a pé - se não der fico em casa. Sempre tive um sonho esquisito que se repete ainda hoje em vezes bem largas. Um avião imenso cai na minha rua, é noite, mamãe e eu na rua e os vizinhos na hora de ir até o grande dinossauro sem asas Buh! Já é manhã e eu acordo. Nunca entendi esse sonho, e para bom medroso eu não viajo de avião. Mas continuo olhando para cima, agora crescida não mudei muita coisa, as pernas são finas e os braços também, o cabelo é sempre despenteado e a pele é cor de nada, tenho uma pele sem graça. Os olhos grandes, parecem dois binóculos quando olho pro céu, nunca me senti em casa estando em casa, mas me sinto em alguma parte do todo quando olho para cima. Desde pequenina eu pensava em ser astronauta, quem sabe lá eu encontro um pedaço de casa, casa minha.

- roberta laíne.
Bem, quero falar sobre um causo que me acontece há algum tempo, estou há um ano e cinco meses apaixonada pela mesma Brenda, o mesmo amor, o mesmo corpo, o mesmo cheiro, o mesmo.
Bem, quero lhe falar sobre um causo que anda me acontecendo, eu tenho amor, eu dou amor, eu sou amor, eu faço amor, amor..


"Espero que você não se vá, mesmo se eu não tiver mais nada para te contar"


- roberta laíne.

domingo, 18 de outubro de 2015

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Odeio festas, aniversários, comemorações, risos descontraídos, abraços enrolados, consentimento despreocupado. Não gosto de bolo, velas, aglomerações e pessoas em volta de algo. Não gosto de pessoas, gente, muita gente, população. Gosto de um, pouco, parco, pequeno, invisível, não notável. E antes que você venha com mais um diagnóstico sobre mim, NÃO! Eu não preciso, já tenho vários e vários é uma palavra que eu não gosto.

- roberta laíne.

segunda-feira, 5 de outubro de 2015

Não me entenda, eu não faço sentido, não faço sentido.

- roberta laíne.

domingo, 4 de outubro de 2015

Acho lindo a escuridão, vejo uma luz onde as coisas se apagam...
Há um malabarismo na tristeza, ela rotaciona de cabeça em cabeça e fica girando até apunhalar o mais vulnerável. O lado bom de tomar antidepressivos é que você não precisa usar cocaína, heroína ou craque para ter alucinações. O lado ruim de tomar antidepressivos é que você também não precisa usar nenhuma delas para entrar numa bad, a pior bad, antidepressivos contraditoriamente causam depressão. Isso não faz muito sentido, mas, o que ultimamente anda fazendo sentido no mundo? A internet? A democracia? A globalização?
Olha, se algum ser de outro planeta um dia ler isso, quero que saiba que a terra está invivível, e não tente procurar no dicionário, pois se trata de um neologismo, mas procure neologismo que talvez invivível faça mais sentido. E para piorar não consigo vê saída, há anos venho dizendo que a terra está doente, mas ninguém me escuta, ninguém lê esse blog, não sou presidente, não sou alguém que as pessoas conheçam, não sou da capital, nunca viajei para fora do Estado ou do País, minha voz é calada, só falo através de palavras escritas então vou informar ao menos para os seres das outras dimensão que pesadamente a terra está com câncer, em metástase, quase 7 bilhões de células espalhadas por todo seu corpo - está com febre, está quente, está perdendo cabelo sem ter começado a quimio, sua visão está turva, mesmo contudo caro seres, estamos aqui, nos tornamos inquilinos que há anos não pagamos mais aluguel, uns pagam, outros não, e a gente vai invivendo aqui dentro e ela se arrastando, e é por isso que acho lindo a escuridão, vejo sempre uma luz onde as coisas se apagam.

As outras dimensões

- roberta laíne, terra, 23 anos, século XXI.

quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Era uma noite translúcida de sol, você chovia em mim, teus cabelos emitiam o castanho de teus olhos, teu sorriso se confundia com minha boca. Estava nevando calorosamente, meus pensamentos caminhavam como um trem, eu freava-os como navio, ancorava mais uma vez tua imagem que fugia em ficar. No meu sonho eu era a praia e você a areia. Rolavamos bruscamente na suavidade das ondas. Eu me confundia, me achava e me perdia, eu não sabia onde você começava e eu terminaria...

- roberta laíne.