sábado, 31 de outubro de 2015

Estava cá aqui pensando em algumas pessoas que vejo quando vou ao banco, a feira, na padaria - na verdade quando sou um pouco normal e "socializo". A verdade é que todas às vezes que saio é assim, mergulho meu olhar em algumas retinas e depois fico pensando naqueles rostos que nunca vi, pensando especificamente naqueles rostos que emanam algum tipo de sofrimento. Meus olhos de alguma maneira são programados para captar sofrimento. E o mais estanho é que não sei como consigo decora-los e ficar imagimando-os no decorrer do dia, e, as vezes, dos dias. É estranho, mas fico imaginando o que tem lhes causado a dor? O que pode ser feito para amenizar? Tem cura? Será que eu poderia de alguma maneira intervir? Eu sempre digo a frase de um de meus livros favoritos "os seres humanos me assombram" e até mesmo contesto a péssima e dispensável existência dos seres humanos. Mas alguns humanos não me assombram, os mesmos me deixam feliz em existir - o problema maior é que eu não os conheço. Nunca os vi em toda minha parca existência! Obviamente isso tem todas as chances existenciais num todo de possibilidades de que o que estou escrevendo aqui é o maior acúmulo de besteira que um ser humano pode escrever. Mas caso não venha a ser eu estava falando sobre transeuntes, sobre pensar neles, sobre querer fazer algo, sobre uma tal de humanidade que vi no jornal, mas não vi na reportagem que falava de guerras e acordos políticos. E antes que você pense que quero apontar altruísmo de minha parte e benevolência para se auto promover, ponto 1 - ninguém lê isso. Ponto 2 - ninguém ler mesmo. Ponto 3 - talvez com muitas probabilidades de chances eu nunca mais verei esses rostos novamente, o que automaticamente dá total descredibilidade para minha possível "benevolência" que no ponto 4 - eu não fiz absolutamente nada. Desse modo, com exceção dos transeuntes que perturbam a minha cabeça, os seres humanos continuam a me assombrar, e eu tenho medo do que possa ser atualmente a palavra Humanidade...

- roberta laíne.

Nenhum comentário:

Postar um comentário