domingo, 30 de agosto de 2015

Vai me dizer que você nunca fechou os olhos, imaginou aquela música lenta de fundo, e alguém olhando fixamente dentro dos teus olhos, a pele explodindo em chamas, as palavras não saindo em frase alguma, o erro verbal te açoitando, a música chegando próximo ao refrão, você sentir que a terra rotaciona e translada e ficar tonto, o magnetismo do planeta aproximar vocês, a luz ficar mais amena, engolir em seco fazer parecer um barulho de dois trovões, teu corpo, outro corpo, o refrão da música, a terra rotacionando um beijo de curta metragem, perfeiro, coração acelerado, refrão cantado, riso sem graça, e o resto? O resto só dá pra contar de olhos fechados.


Eu também já me apaixonei..

- roberta laíne.

sábado, 29 de agosto de 2015

Não invada minha privacidade, não invada meu mundo, não entre, as consequências serão sempre amargamente grandes. Então não ouse.

- roberta laíne.

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Depressão.

Não encontro mais saída, olho ao meu redor e não vejo ninguém. Grito e ninguém me escuta. Estou morrendo, estou morrendo aos poucos, estou morrendo e ninguém vê, ninguém consegue enxergar. Tudo é escuro, tudo é escuridão na minha vida. Pego meu celular e não tenho pra quem ligar, não tenho com quem trocar uma palavra, não tenho nada. Estou suplicando por alguma palavra, por um gesto, uma ação, uma saída, se é que devo continuar viva estou esperando uma luz, uma "palavra amiga, uma notícia boa" estou esperando qualquer coisa. Qualquer vida. Alguém? Você está me escutando? Por favor, não me deixe morrer. Me ajuda.

- roberta laíne.

domingo, 23 de agosto de 2015

Há momentos que você precisa falar, mas falar só pras paredes mesmo, às vezes você não precisa de respostas, só de perguntas.
Saídas? Não. Procure mais entradas, vá entrando, se perca um pouco e caso não lembre o caminho de volta, forje um. Tudo nessa vida é forjado, com exceção é claro de nossas vontades, a fé e o amor. O resto, é mera cópia de tudo, com outros atores, outro roteiro, mas o mesmo filme. Não se iluda.
Não controle suas vontades, aumente em exagero na fé, e tente não compreender o amor. O resto, forje.

Com vontade, fé, e amor

- roberta l.

Às vezes acordo, noutras só recordo...

- roberta laíne.

quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Assisto 3 filmes por dia, raramente arrumo o cabelo, dificilmente procuro uma roupa diferente pra vestir. Não me olho mais no espelho, tenho medo do que vejo. Como pouco, vivo pouco, pouco é uma palavra que me é muito. Às vezes assisto TV, na verdade ligo a TV e desligo em seguida, a TV ultimamente anda sendo um acúmulo de séries e filmes de terror. Durmo bastante, agora leio pouco, meus remédios me impedem a concentração, e se me concentro logo tenho a ânsia de me desconcertar. Não vivo na realidade, sou desfocada, deslocada, desolada. Não sou triste, nem feliz, eu apenas sou, mas também não sei definir o quê. Meu peito pesa, o coração bate atrasado e vezes se apressa, sou calma e desesperada, sou mais desesperada que calma, mas sou silêncio, sou calada, não falo, não pronuncio, não balbucio, não puxo conversa nem qualquer tipo de assunto, não que eu não tenha o que falar, é que tenho muito o que dizer. Não gosto da cor rosa, odeio ir ao supermercado, ando de cabeça baixa, falo sozinha ou com meus fones, acredito em Deus, mas em nenhum ser humano. Amo animais, queria ser um passarinho ou uma andorinha, converso com flores, queria ser um ninho. Tenho medo do escuro, durmo de abaju, a porta sempre entreaberta pois se por acaso algum monstro entrar terei uma brecha pra sair, é uma tática bem esquisita. Às vezes tenho pesadelos e acordo suada no meio da noite, tem noites que nem durmo e tenho pesadelos, tenho noites que deito só pra molhar o travesseiro. Não gosto da minha colcha de cama, ela tem um detalhe rosa e como já disse tenho problemas com a cor. Sempre rezo antes de dormir, sempre acordo com a sensação de mais sono, sempre sonho. Às vezes sonho com pessoas que nunca vi, tem vezes que sonho com mundos paralelos, tem sonho que me dá vontade de chorar e o dia começa mal outros da vontade de sorrir e começa bem. Gosto de idosos, acho pele enrrugada bonita, gosto de pessoas de cor negra, não gosto de índio, e nem tenho medo de pessoas que a sociedade rótula de "mal encaradas" ou "mal vestidas" o problema do mundo é que ele anda colocando a palavra "mal" antes de tudo, veja hoje em dia tudo é, mal pago, mal educado, mal humorado, mal criado, mal mal mal. Não gosto de pessoas que se vestem demais, não gosto de meninos mais, não gosto do que estou escrevendo, não gosto de finais. Tenho medo de chuvas, de florestas, morro de medo do mar. Gosto de comprar livros e nunca abri-los, gosto de capas, papel de presente, palito de picolé, tenho medo da água do planeta acabar, gosto de ler Shakespeare, mas isso não me faz intelectual. Ainda penso em Álvares de Azevedo, tenho nojo de Almeida Garrett, acho fascinante a cara de nojo de Lispector e leio escondida Paulo Coelho. Não sou alguém importante, mas me importo com alguém, tenho vestido mas não uso, parei de tomar café.

Sou sempre consequência e nunca a causa.

- roberta laíne.

quarta-feira, 19 de agosto de 2015

Passei tanto tempo da minha vida só - tanto tempo tendo que lidar com a solidão, que hoje em dia não sei mais ser dois, plural, conjunto, comunicativa, coletiva. Se por exemplo tu fores embora e me deixar em algum lugar, provavelmente eu ainda esteja lá, provavelmente eu esteja encolhida em algum canto, e se tiver saído, provavelmente, muito provavelmente tenha deixado um bilhete recente. No meu quarto quase nada modificou; sou muito parecida com esses móveis que não saem de lugar, e quando saem se rastejam três quarto pra desabar quase no mesmo canto, assim também sou. Algumas, a maioria, quase todas as pessoas mudam, mudam de endereço, de corte de cabelo, de roupa, de mania, de grupo, de ciclo, mas eu lá, imóvel, velha, com o mesmo endereço, o mesmo cabelo, as mesmas manias, sem grupo, sem ciclo, com um resto desarrumado de vida, sem perfume, sem batom, sem maquiagem, às vezes acho que sou mendiga do meu próprio corpo, às vezes me olho no espelho e não reconheço o reflexo que vejo, parece uma coisa abstrata, sem cor, sem forma, sem nada, parece tão pouco que chego a parecer nada, e nada por nada, não sou, acabou, aqui, em mim, nada.

- roberta laíne.
Nossa memória é forte - principalmente para coisas ruins - se quiser viver bem engane-a.

- roberta laíne.
Resolvi colocar uma vírgula no nosso ponto final, a decisão é minha, ponto sozinha.

- roberta laíne.

terça-feira, 18 de agosto de 2015

Estou envelhecendo, ando ranzinza, velha, louca e chata. Ando não andando muito, reclamando do mundo. Com reumatismo e tiques estranhos, com o mesmo livro empoeirado que minha memória não me deixa terminar de ler, nunca sei a página donde parei. Nunca sei onde estão meus óculos, nunca sei onde te deixei. Num verso? Numa música?  Numa poesia? Onde será que te guardei?

-roberta laíne.
A vida é só uma não deixe-a esfriar, tome-a, engula, use-a.

-roberta laíne.

segunda-feira, 17 de agosto de 2015

Ontem foi um dia demasiado nostálgico, várias imagens de papai passavam em minha mente, áudios de suas músicas favoritas em meus ouvidos, de sua fala, de suas falas para mim, todas em fragmentos sem uma ordem lógica "Oi, peteca" "Peteca" "Peteca, cadê tua mãe?" "Peteca vou alí e já volto" "Será que vai chover hoje peteca?" "Peteca, corre, o arco-íris"... Sim papai o arco-íris nunca mais veio, e no dia em que veio alguém chamou-me para vê-lo, mas não era tua voz, nem ao menos ousaram fraudá-la, nem ao menos me chamaram de "peteca" então não quis vê-lo papai; mas, prometo que no próximo arco-íris verei. Entretanto, o que me angustia agora não são as cores do céu e sim esses flashes de ti, porque são muitos, são demasiados, me pesam a cabeça, às vezes sento-me na cama e fico zonza, todos de uma só vez, flashes dos programas de tv que o senhor mais assistia, noticiários de jornal de 2001, copa do mundo de 2002, acho que algumas imagens não são mais minhas, acho que são lembranças sua, suponho. Não sei, no momento não sei muito bem de algumas coisas, de muitas coisas, mas de uma coisa eu sei, quando o arco-íris voltar terei de vê-lo...

Papai era aquele tipo de pai que não parecia pai, tinha mais cara de mãe do que de pai.  

Com carinho,

Peteca.

sexta-feira, 14 de agosto de 2015

Já faz tempo que venho carregando uma cruz chamada "família"

- roberta laíne.

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

Somos incompletos! Não adianta correr contra o tempo, ou contra o que quer que seja, somos incompletos! Incompletos na fala, nos gestos, no andar, no dormir, no acordar, no passado, no presente, no agora, no depois, na vida. A incompletude é uma rede velha que nos deitamos de segunda a segunda e que nos embala no decorrer dessa via perigosa chamada vida, e digo mais, ninguém, digo ser humano e com "qualidades" humanas, consegue ser completo, no mínimo que seja sempre vai faltar uma pitada de sal, uma colher de açúcar, dois dedos d'água, uma xícara de café, meia tigela de trigo, uma conta de luz para pagar, uma barba por fazer, um cabelo pra cortar, uma bobagem de se dizer. Tipo isso que escrevi, que possivelmente você vai estar distraído demais para está lendo, ou ocupado demais para estar se dispersando. Tanto faz, sempre falta algo mesmo,

Uma xícara de chá

- roberta laíne.

quinta-feira, 6 de agosto de 2015

E essa chuva, desde o mês passado, desde quando tu fostes embora, nunca mais voltou, nunca mais passou...

- roberta laíne.

terça-feira, 4 de agosto de 2015

A saudade deveria sempre bater a porta errada.

- roberta laíne.

segunda-feira, 3 de agosto de 2015

Olha, olha e veja bem, eu vou te contar uma coisa. Cê sabe aquelas pessoas que um dia disseram "conta comigo" e depois foram embora? Ou que tal, permaneceram, mas sempre inventam uma desculpa para não está presente? Olha, olha e veja bem, o mundo gira bem devagarinho, e as vezes quem tá em cima cai e se machuca e quem tá em baixo sobe sem saber, e sabe aquele lugar que você ocupava, aquele lugar tipo gris, meio muito solitário, que o sol não batia? Pois esse lugar pode ser ocupado justo por aquela pessoa que você um dia gritou ajuda e que te negou. Mas olha, olha e veja bem, pois, quando tu estiveres por cima, olhe para baixo, e ao invés de dizer: "quando eu precisei você não veio"; melhore essa frase e diga: "estou ao seu dispor", porque o mundo, esse mundo ele gira bem devagarinho, mais tão devagarinho que você tem que aprender a lidar com o lado de baixo e o de cima, e te digo os dois são bons, mas particularmente o de baixo da pra vê quem tá em cima e nunca olha pra baixo e um dia precisa, assim também como o de baixo tem como background as estrelas...

Então olha, veja bem e olha.

- roberta laíne.

domingo, 2 de agosto de 2015

Dificilmente vou me adequar a alguém, a alguma teoria ou ponto de vista. Não por que eu seja, em mim, a suma de todas as coisas. Com efeito e defeito, em mim, na verdade, sou o todo de nada e é esse nada que me faz ser só, para mim, sou singular, aposto, vocativo, oração coordenada, verbo indefinido. E essa coisa toda de se amparar numa teoria, numa filosofia ou política me dá um sono danado, como disse eu sou para mim, um, singular, só, si, eu.

- roberta laíne.