quarta-feira, 19 de agosto de 2015

Passei tanto tempo da minha vida só - tanto tempo tendo que lidar com a solidão, que hoje em dia não sei mais ser dois, plural, conjunto, comunicativa, coletiva. Se por exemplo tu fores embora e me deixar em algum lugar, provavelmente eu ainda esteja lá, provavelmente eu esteja encolhida em algum canto, e se tiver saído, provavelmente, muito provavelmente tenha deixado um bilhete recente. No meu quarto quase nada modificou; sou muito parecida com esses móveis que não saem de lugar, e quando saem se rastejam três quarto pra desabar quase no mesmo canto, assim também sou. Algumas, a maioria, quase todas as pessoas mudam, mudam de endereço, de corte de cabelo, de roupa, de mania, de grupo, de ciclo, mas eu lá, imóvel, velha, com o mesmo endereço, o mesmo cabelo, as mesmas manias, sem grupo, sem ciclo, com um resto desarrumado de vida, sem perfume, sem batom, sem maquiagem, às vezes acho que sou mendiga do meu próprio corpo, às vezes me olho no espelho e não reconheço o reflexo que vejo, parece uma coisa abstrata, sem cor, sem forma, sem nada, parece tão pouco que chego a parecer nada, e nada por nada, não sou, acabou, aqui, em mim, nada.

- roberta laíne.

2 comentários:

  1. Mas uma coisa é certa Roberta, só quem é ou quem foi sozinho é que consegue fazer das palavras, arte :) alegre-se, tudo tem o lado bom e o lado mau!

    ResponderExcluir
  2. Rs muito obrigada pelas palavras, eu basicamente sou bastante criticada devido ser assim, mas não me importo, as pessoas que me criticam por eu não mudar, ser só, não tomar algumas atitudes são geralmente pessoas que não me entendem e gentilmente às pessoas que não me entendem eu só tenho a desejar distância. Obrigada por mais uma vez estar por aqui, grande abraço :)

    ResponderExcluir