segunda-feira, 28 de maio de 2012

Liar ..

Eu sabia o quanto era frágil, sabia também que em mim habitava uma assustadora vulnerabilidade, mas eu só não sabia o circo que inocentemente criaria. E nele me fiz de palhaço, onde você sofisticamente me aplaudia. Eras tu, meu principal espetáculo e eu a palhaça que docemente vivia uma mentira e acreditando acabava por sorrir, e era assim, era assim que eu fazia, todas as noites colocava uma peruca colorida revestida de ilusões e um nariz vermelho jurando que havia amor, tudo isso para interpretar tua peça, tua fantasiosa peça chamada de sentimento. Mas como em um passe de mágicas, as cortinas se abriram, e antes que o palhaço principal, eu, estivesse preparado para entrar em cena, o que era  para ser mais uma noite de show, tornou-se o desfecho mais sombrio que revestiu a platéia, a ver todo o despreparo que havia por detrás daquele iludido palhaço, que agora se banhava de verdade e deixava toda sua nudez inocentemente a amostra, e tu, tu fortes quem abriu as cortinas antes da hora, tu, somente tu, não destes conta que um dia eu, o teu palhaço principal pudesse compreender o real sentido da tua peça, tua ludibriosa peça, que no final das contas não recebeu nenhum aplauso e não teve a menor graça !

- Do teu palhaço,

- roberta laíne.

Nenhum comentário:

Postar um comentário