quarta-feira, 9 de maio de 2012


10 horas e 16 minutos, no pátio de minha casa ..
Todos acomodam-se, menos eu, e a lua. Estou olhando-a compulsivamente, fitei sem cortes ou tampo para piscadelas, ela logo percebeu em resposta sorriu-me sem graça me pedindo para parar, mas não consegui, obriguei-a a deixar-me vislumbrar, oh lua de maio, como consegues ser tão bela? Me conta teus segredos? Não sintas vergonha, todos sabem do teu amor pelo sol, incondicionalmente. Vejo em teu brilho, o espera.. Oh bela lua, não se sintas sozinha, pois morro todos os dias, sou poeta, morro em palavras, e também espero alguém como você, alguém que como o teu sol, que nunca irá voltar..

- roberta laíne.

Nenhum comentário:

Postar um comentário