sexta-feira, 29 de junho de 2012

Uma carta para esperança ..

ooi esperança? Calma, calma, não se assuste, eu só queria saber se está tudo bem com você..
Aliás, cadê você? Passei a noite te procurando, eu precisava conversar contigo, onde será que você estaria? Em sua casa descansando? Ou num bar, bêbada na sua própria frustração? Hein dona esperança! Cadê você? Não es tu a grande mãe dos que sofrem? Se você existe de fato, apareça! Apareça para mim ! Quero ver seu rosto, quero ver seus olhos confusos dentro de si, venha!
Não sinta medo de mim, sou altruísta demais para te machucar lembra? Mesmo tu sendo a que mais me machucara desde 1976, quanto tempo né? Não me reconhece mais? É, eu cresci, parece que virei poeta desde quando você se foi, me dediquei, aprendi inglês, música, e uma tal de faculdade me ensinou a ser professora, na verdade, ela não me ensinara nada, eu ria da cara dela, queria contar isso pra você que faz os outros terem tu, esperança, nela.
Não, não chore esperança. Eu não quero começar a chorar, sabes tu que jamais deixaria meus olhos secos ao ver outros cheios d'água, tudo bem, vou interromper está conversa, você não está em condições e eu vou lhe respeitar, só não esqueça,

Espero-te, para uma bela e demorada conversa.

Com respeito,

- roberta l.

Nenhum comentário:

Postar um comentário