sexta-feira, 25 de julho de 2014

Era estranho, mas eu sabia que tinha que sentir tudo aquilo que estava sentindo, principalmente por lembrar de uma frase bastante significante de John Green: "A dor precisa ser sentida"... É, realmente aquela dor eu precisava sentir, a dor de sempre, a dor de encontrar-se deslocada e novamente sozinha, sempre sozinha! Encolhida num mundo que eu criei e que morro de medo de sair. Meio estranho tudo isso, mas na verdade não poderia ser diferente, pois eu sou estranha, sempre fui estranha. Eu e essa dor estranha ...
Resolvi parar de me abastecer com coisas que a maioria das pessoas não veriam a menor graça e larguei o livro que estava lendo, decidi então que iria me entupir de porcarias norte-americanas, e, comecei pelos  filmes, escolhi os mais idiotas possíveis que eu imanaria ser: "Eu te amo beth cooper", "Diário de uma virgem" e "Saindo do armário". Após assisti-los achei engraçado como esses filmes tinham algo em comum, sempre tinham um/a idiota que sofria o filme inteiro e no final é recompensado com apenas um beijo ao término de tudo aquilo. Quanta miserabilidade no quesito recompensa! Como pode um ser sofrer tanto e ser recompensado com apenas um beijo no final? O mais estranho era que eu estava me sentindo um daqueles idiotas; juro que tentei me achar nos outros personagens, tentei um por um, desde os que se davam bem, até os que quase não apareciam, mas não encaixei-me, só encaixava-me com o idiota do início ao final do filme, mas tudo bem, a dor precisa ser sentida;
Depois do último filme norte-americano-e-idiota que meu cérebro aguentou, percebi que havia algo extremamente inteligente nesses filmes, uma espécie de lição de moral ou sacada final da vida:
São tão idiotas, mais tão idiotas que são reais! É isso! Reais ...
No final das contas são os filmes mais próximos com nossa realidade, sempre com algo tocante e comovente, e isso era a realidade.
Então cheguei a conclusão que, somos todos idiotas no final das contas, e, sempre tem um, que sofre o filme inteiro...

- roberta laíne.

Nenhum comentário:

Postar um comentário