quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Parece sólido, mas não é.
Sentimento solto que baila pelos confins do ar
Um abismo, que desce devagar a vagar dentro de mim; 

Parece sólido, mas não é.
Desce como pluma, mas tem o peso de dois rios fadados do amor
Olhando da janela de meu quarto parece sólido mas não é.

Desce em seco e arrastado, ácido para dentro de mim; 
Como a larva de vulcão malvado, vulcão castigada,

Desce preso, 
E quando enfim desce,
Em dó menor faz cantarolar o calejado coração.

Perece sólido, mas não é.


- roberta laíne.

Nenhum comentário:

Postar um comentário