segunda-feira, 6 de junho de 2011

Amor de subsistência

Parei,
É, hoje parei e tive uma conversa muito seria com meu coração, fizemos um trato de juntos não amarmos mais ninguém, NINGUÉM, ausência completa de outra pessoa, em troca vou dar-lhe paz e sossego, e a mim ele dará descanso e pouquíssimas frustrações, viveremos assim um amor apenas de subsistência, aquele impossível de não ser ter, básico, indispensável, amor fraterno, aquele que sem percebermos nos pôs ao mundo, nos faz viver.
É coração, juntos fomos um fracasso e como já dizia Carlos Drummound, há campeões de tudo, inclusive de perda de campeonatos, e mais um perdemos, e sabe meu querido desista logo do amor, será melhor assim, tanto para você quanto para mim, pois há tempos você não deixa meu corpo descansar, e estou esgotada, demasiadamente esgotada, estou perdendo forças até para escrever, por favor não me tires a escrita, seria fracasso demais para mim ter papel e lápis e de tão fragilizada não conseguir escrever, ver linhas em branco, sem vida apenas linhas, como seria um passarinho ter asas e não voar, meu querido coração eu te suplico pare logo de amar e ficar se iludindo, me deixe viver, despeça-se logo desse sentimentalismo e deixe-me sem sentimento viver, pois assim será melhor pra mim e também para você, não mais insista no amor... querido coração por favor.

Roberta Laíne.

Nenhum comentário:

Postar um comentário